Cidades Digitais

BY KAIZEN INSTITUTE - 2018-02-14

Num mundo em que os desafios são muitos e as oportunidades imensas, é essencial compreender que os resultados alcançados pela tecnologia serão tão melhores quanto maior for o nível de excelência organizacional e operacional de uma cidade ou território.

Num mundo em que os desafios são muitos e as oportunidades imensas, é essencial compreender que os resultados alcançados pela tecnologia serão tão melhores quanto maior for o nível de excelência organizacional e operacional de uma cidade ou território.
Imagine uma cidade com informação que se adapta a si: desde outdoors mutáveis, até menus de restaurantes personalizados ou mesmo informação em tempo real sobre alojamentos disponíveis, as principais vias e o melhor percurso a seguir. Imagine uma cidade pensada e organizada da forma mais inteligente possível, desde os transportes até à gestão de resíduos, com o objetivo não só de tornar o dia-a-dia das populações mais simples, como de incentivar à redução do consumo de recursos e proteção do ambiente (Khanna 2016). Esta é já uma realidade mais próxima do que possamos pensar e que tem motivado vários debates como o decorrido no 27º Digital Business Congress em Lisboa, Portugal.
O termo cidade digital ou inteligente tornou-se recorrente no mundo da tecnologia e dos negócios. E isto é só o princípio. Em 2021, prevê-se a obtenção de uma poupança de cerca de 19 mil milhões de dólares resultante da redução do consumo de energia e emissões atmosféricas, consequência da aplicação da tecnologia a favor de cidades eficientes (Real Readers 2016). E embora pareça uma visão utópica, Singapura, Barcelona, Londres, São Francisco e Oslo já lideram o top mundial na evolução tecnológica e não acreditamos que parem por aqui.
Esta necessidade é acelerada pelo crescimento acentuado das mega cidades – territórios urbanos com população superior a dez milhões de pessoas – que obriga a um rápido desenvolvimento de infraestruturas, serviços públicos e sustentabilidade ambiental. E enquanto que os países desenvolvidos utilizam a tecnologia de forma a tornar as suas cidades eficientes e atrativas para viver, visitar e investir, os países em desenvolvimento procuram no digital soluções eficientes que lhes permitam responder ao atual e futuro crescimento populacional maciço, migração rural para os centros urbanos e escassez de recursos.
O que antes era uma noção visionária é agora normal: a tecnologia é tão essencial quanto a água, o gás e a eletricidade. A revitalização de uma cidade envelhecida ou a sua edificação em greenfield deve priorizar a aplicação da tecnologia num momento inicial, tal como as restantes utilities, integrando uma abordagem holística e orientada a serviços inteligentes para a revitalização dos centros urbanos.
A própria União Europeia está alerta para a mudança e decidiu conceder 1,7 milhões à cidade de Lisboa para que sejam implementadas medidas que tornem a cidade mais sustentável. Este programa – Sharing Cities – teve início em 2016 e objetiva que Lisboa, Londres e Milão testem soluções, no prazo de cinco anos, e sirvam de exemplo a três cidades seguidoras. No final, as alterações deverão estender-se ao resto da Europa.
O sucesso das cidades e territórios digitais depende da convergência para a gestão integrada de operações, a qual deve ocorrer quer do ponto de vista físico – com todos os decisores críticos concentrados num único espaço reunidos – quer do ponto de vista digital – com plataformas de inteligência urbana que integrem os diferentes verticais várias soluções operacionais de uma cidade. Para isto é primordial a gestão eficiente e rigorosa de toda a informação recolhida, seja esta parte do histórico ou obtida em tempo-real. Sobre esta questão, veja-se o exemplo de Cascais, onde, em julho de 2016, nasceu o MobiCascais – uma plataforma de mobilidade integrada que veio romper com o modelo de mobilidade tal como o conhecemos.
Este projeto, realizado em parceria com o Kaizen Institute, pretende criar um ecossistema de mobilidade único para o utilizador final, migrando de uma abordagem baseada na oferta para perspectiva centrada no costumer journey. A plataforma permite que seja o utilizador a escolher o seu mix de soluções de mobilidade com base no conforto gerado, conveniência, tempo, custo e pegada ecológica. O projeto objetiva a integração de diferentes modos de transporte – automóvel, comboio e autocarro – acrescentando 1.200 bicicletas, 5 linhas de autocarros de apoio e mais de 21 mil lugares de estacionamento à vila.
Os benefícios são incontornáveis e os dados convincentes. Na próxima década, prevê-se que as alterações estruturais projetadas resultem em reduções de 50% no consumo de energia e de 80% no consumo de água, assim como 20% de reduções no tráfego automóvel e índices de criminalidade (Elfrink 2012).
Embora desempenhe um papel facilitador assumidamente crítico, a tecnologia por si só não é uma solução se não for aliada a uma gestão inteligente, negócios disruptivos e cidadãos motivados (The Economist 2016). Cabe aos governantes de cada país exercer um papel fulcral na evolução tecnológica na vida das populações e a sustentabilidade da implementação implica que os decisores conduzam este processo de acordo com as expectativas para a tecnologia do cidadão que procura disponibilidade, acessibilidade e segurança.
A aplicação das metodologias Kaizen em paralelo com o movimento da transformação digital em cidades e territórios torna-se então imperatório. É necessária uma integração dos seus princípios básicos no modelo de gestão empregue pelos decisores, objetivando-se continuamente a maximização do valor entregue ao cidadão e a eliminação constante de desperdício. Vivemos numa era em que é fulcral fazer mais com menos, assumindo-se uma notória escassez dos recursos naturais do nosso planeta. Este problema conduz à necessidade de abordagens transversais, integradas, interpretáveis e eficientes. Os decisores devem dominar toda a cadeia de valor e abordar a gestão a partir do todo (mobilidade, transportes, resíduos, energia, água, entre outros, maximizando a eficiência e colocando sempre o cidadão no centro da estratégia.
Num mundo em que os desafios são muitos e as oportunidades imensas, é essencial compreender que os resultados alcançados pela tecnologia serão tão melhores quanto maior for o nível de excelência organizacional e operacional de uma cidade ou território. As limitações associadas ao funcionamento inteligente de cidades inteiras evidenciam que estamos apenas no início do caminho. Todavia a boa notícia é que o futuro é já amanhã e não temos outra opção senão estar preparados.

Bibliografia:
Elfrink, W. (2012). The smart-city solution. McKinsey&Company Articles.
The Economist. (2016). Startup My City – Smart and sustainable cities: opportunities and challenges
Khanna, P. (2016). Urbanisation, Technology and the Growth of Smart Cities
Real Readers. (2016). Europe Dominates 2016 ‘Smart City” Leaderboard
ONU Habitat (2016). World Cities Report


 
 
Gemba Kaizen